Músicas e imagens de Lenine: Registro

Uma obra que não se repete nem se perde em fórmulas

Músicas e imagens de Lenine Registro

Músicas e  imagens de Lenine, foi o que consegui casar em meu primeiro show do cantor e compositor pernambucano Oswaldo Lenine Macedo Pimentel. Como resultado, fiquei ainda mais fã do trabalho do cara.

Nascido em Fevereiro, sob o signo de Aquário, Lenine despertou cedo para a música.

Ainda menino, das brincadeiras no bairro de Boa Vista, no Recife, surgem as primeiras influências e referências musicais que iriam acompanhar o músico por toda vida.

O clássico álbum Canções Praieiras, do baiano Dorival Caymmi, por exemplo, foi companheiro constante nessa fase, além de Ângela Maria, Jackson do Pandeiro e Miltinho.

Posteriormente os eruditos Bach e Chopin também forjaram o gosto musical de Lenine.

Músicas e imagens de Lenine Registro - pitadas do sal

Canções Praieiras – Primeiro álbum de Dorival Caymmi, lançado em 1954

Posteriormente os eruditos Bach e Chopin também forjaram o gosto musical de Lenine.

Mais tarde, o rock’n’roll entraria na receita e formaria a base sólida que posteriormente moldaram as músicas e imagens de Lenine, da mesma forma que a MPB.

O cantor e compositor é autor de belos álbuns e, acima de tudo, de músicas que marcaram e fazem ainda a cabeça de uma galera carente de novos talentos no mainstream atual.

Músicas e Imagens de Lenine

Diferente de um fã ou um mero ouvinte de músicas antes do advento da Internet, hoje em dia é muito fácil ter contato com a obra de um artista.

Em outras palavras, basta estar conectado na grande rede para termos acesso ás músicas e imagens de Lenine, como de qualquer outro artista.

Mas nem sempre foi assim…

O começo não foi fácil

Foi o álbum Clube da Esquina, de 1972, lançado por Milton Nascimento em parceria com o mineiro Lô Borges, na época um menino, que fez com que Lenine interioriza-se em si o Brasil.

Músicas e imagens de Lenine Registro - pitadas do sal

Capa de Clube da Esquina, lançado em 1972

Mas, foi somente a partir de 1981, com a realização do Festival MPB Shell, que Lenine, por exemplo, começa a definir suas músicas e imagem.

Além disso, nessa época, ele se instala em uma vila, no bairro carioca de Botafogo, ao lado do conterrâneo Lula Queiroga e outros músicos. Isso certamente pode ter contribuído para Lenine dar os primeiros passos a caminho do estrelato.

Após uma temporada de shows no Teatro Ipanema-RJ, para apresentar o trabalho e talento musical da turma.

Roberto Menescal aprova o que vê e, como resultado, o fruto disso é o álbum Baque Solto, lançado em 1983 em parceria com Queiroga.

Mesmo assim, só para esclarecer, precisou uma década para que Lenine saísse do anonimato, ou, para se usar um termo do meio, saísse do underground, para se tornar o artista que conhecemos hoje.

Com sua música, Lenine apresenta em seu álbum solo de 1993, Olho de Peixe, pérolas como O Último Pôr do Sol e Pedra e Areia. Em outras palavras, o artista que conhecemos hoje nasce ali.

As canções de Lenine nesse primeiro trabalho contaram com a participação luxuosa do percussionista Marcos Suzano e deram início as primeiras turnês internacionais do artista.

Lenine entra para o primeiro time da música brasileira

Após ganhar o Grammy Latino de Melhor Álbum Pop Contemporâneo Brasileiro, com seu disco de 2002, Falange Canibal, as músicas de Lenine passaram a ser uma constante no dial das rádios e, como resultado, a projeção de sua imagem passa fazer parte de programas de TV.

Lenine in Cité (2004) e Acústico MTV (2006) seguiram os passos de Falange e conquistaram o Grammy de melhor álbum. Além disso, as canções Martelo Bigorna e Ninguém Faz Ideia foram agraciadas com o prêmio de Melhor Música Brasileira.

Além de cinco Grammy na estante, Lenine conquistou com suas músicas 12 Prêmios da Música Brasileira e dois prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte.

A partir de 2007, com o lançamento de Breu, composto para o balé da Companhia de Dança – Grupo Corpo, Lenine passa a definir um conceito antes de trabalhar as canções que comporão seus álbuns. O disco Triz, de 2013, também segue o mesmo molde, composto para outro balé da companhia e contém 10 canções do músico.

Labiata, de 2008 teve as orquídeas, uma das paixões de Lenine como inspiração. O disco foi batizado com uma espécie da planta do nordeste do país.

Músicas e imagens de Lenine Registro - pitadas do sal

Capa do Álbum Labiata, lançado em 2008

Em Chão (2011), que teve a produção em parceria com o filho Bruno Giorgi e Jr. Tostoi, o mote foi sons do cotidiano, “seja de uma chaleira, de um canarinho, de uma cigarra ou de uma máquina de lavar roupa”, conforme descrito no site oficial de Lenine.

Em 2015 Lenine lança Carbono, inspirado nas raízes pernambucanas e fecha a trilogia iniciada em Labiata.

Os dois últimos trabalhos, The Bridge (2016) – gravado na Holanda, lançado também em DVD e Em Trânsito (2018), gravado no Rio de Janeiro, dá sinais que Lenine está sempre em movimento, se reinventando, em direção á uma nova visão sobre seu tempo.

Discografia Lenine

  • Baque Solto (1983)
  • Olho de Peixe (1993)
  • O Dia Em Que Faremos Contato (1997)
  • Na Pressão (1999)
  • Falange Canibal (2002)
  • Lenine in Cité (2004)
  • Acústico MTV Lenine (2006)
  • Labiata (2008)
  • Lenine.doc – Trilhas (2010)
  • Chão (2011)
  • Carbono (2015)
  • The Bridge – Lenine & Martin Fondse Orchestra (2016)
  • Lenine Em Trânsito (2018)

As músicas de Lenine sempre preciosas

O bom das músicas de Lenine é que elas, embora tenham a marca registrada indelével do compositor, não se repetem e nem se perdem em fórmulas.

Assim como um bom ourives, Lenine a cada canção lapida as imagens, letra e música de forma única a sempre nos brindar com uma nova jóia.

5 Pedaços do tesouro de Lenine

  • “Se você quer me seguir, não é seguro”
  • “A curiosidade de saber o que me prende, o que me paralisa, serão dois olhos negros como os teus que me farão cruzar a divisa?”
  • “Enquanto todo mundo espera a cura do mal e a loucura finge que isso tudo é normal, eu finjo ter paciência”
  • “Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão, eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos, como um deus, e amanheço mortal”
  • “Se tá puto quebre, tá feliz requebre, se venceu celebre, se tá velho alquebre e corra atrás da lebre”

Se você gostou do meu texto, compartilhe com seus amigos. É uma oportunidade de conhecer um pouquinho desse artista brasileiro que tem uma obra que já marcou a MPB. Quem sabe as músicas e imagens do Lenine também não façam a cabeça de novas pessoas, assim como fez a minha.

Expoville, Joinville-SC
15/11/2010 – Fotos por Ariston Sal Junior

 

Não esqueça de assinar o feed do Pitadas do Sal
para sempre receber notificações como essa.

Avatar

sal

Jornalista, blogueiro, letrista, já fui cantor em uma banda de rock, fotógrafo, fã de música, quadrinhos e cinema...

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *