Leia também

Uma poesia chamada “Ode Lúgubre”

ode lúgubre dia da poesia pitadas do sal

Um vazio luxuriante toma conta do âmago de quem mais nada espera!
Aglutinado no desvario que me movia amiúde
Galguei trôpego o teu covil umbroso

Tornou-se hábito provir do silêncio o indevido estado de torpor
Tua complacência terminou no meio de uma metade cortada
Insultei proferindo contra nada
Adulterei minha insólita jornada
Fui intransigente na estrada

Usurpando minha senda adversa ao teu mundo
Hostilizando a minha intrépida ação
A hidra lúbrica concisa rompe o tênue invólucro de sua mácula
Justapondo impávida o frêmito e a frivolidade!

A praia cintilante e seus casais diáfanos fazem alusão a um ser
Compelido a fazer parte de um melodrama sórdido
Onde um protagonista relapso é persuadido num perene amor dúbio

Meu olhar lívido e incauto infringiu mais uma vez teu decrépito refúgio
Num ímpeto escuso ludibrio seu coração meridiano

Com meu pérfido orgulho paliativo
Imbuído de prazer na margem do vale antigo
Peregrino a vasta cidade boreal do amor ambíguo
Casto!
Cético!
Com afã!

Teu frenesi efêmero me deixa combalido
Perco o equilíbrio adornando teu coração
Esgotou-se toda ênfase do princípio!

Teu crime passional e metafórico
É consumado num dia hediondo predestinado a ser perpétuo!

A serpente antagônica é martirizada em sua insanidade
Bailando lúgubre no seio dessa ode!

Num ledo engano me perco em sua ubiquidade
E meu pérfido orgulho paliativo
Me relata que não existe tua saudade!

por Ariston Sal Junior

Comentários

comentários


Sobre Sal (291 Artigos)
Jornalista, blogueiro, letrista, cantor em uma banda de rock, fã de música, quadrinhos e cinema