Leia também

Uma poesia chamada “Você”

Escrevi essa poesia há 20 anos. Se você tiver coragem e ler até o final, meu muito obrigado. Quem concluir a hercúlea tarefa lerá nas entrelinhas, ou mesmo diretamente, influências do que lia, ouvia e assistia na época. Doors, Roberto Carlos, Cazuza, Chico Buarque, Clarice Lispector, Kerouac. A escrita foi automática. Não conseguia concluir o texto e tive de "abandoná-lo". Aliás, isso é frequente nos meus poemas. Em 2004, o compositor e compositor pernambucano Osvaldo Lenine Macedo Pimentel, lançou o disco Incité, com a bela canção/declaração Todas Elas Num só Ser. Não comparo a música com o que escrevi, mas o espírito da coisa é o mesmo! Depois de ler, ouça a música aqui

xi_panVocê

03/07/94

Você que apareceu na noite
Você que veio do meu sonho
Você que nasceu do meu desejo

Você que eu me rendo
Você que eu não entendo
Você que me decifra

Você que mostra a cara
Você que esconde a alma
Você que me tira a calma

Você que me seduz
Você que ouve rock
Você que é puro blues

Você que passeia em mim
Você que é um pouco do muito mais
Você que é minha guerra
Você que me encerra
Você que é minha paz

Você que me aquece
Você que eu tenho sede
Você que me anoitece
Você que é minha rede

Você que é perigo
Você que dá abrigo
Você que é ímpar
Você que é meu par

Você que me anda
Você que me faz pecar
Você que me redime
Você que me oprime

Você que me liberta
Você que é tão certa
Você que sabe errar

Você que é feliz
Você que é devaneio
Você que é concreta
Você que nada diz

Você que é lua cheia
Você que me esvazia
Você que me completa
Você que é estrada aberta

Você que é tão Sábado
Você que é Sexta-feira
Você que é todo dia
Você que é semana inteira

Você que me devora
Você que me decora
Você que me agora

Você que me respeita
Você que não me aceita
Você que dá a receita
Você que não tem seita

Você que ama a relva
Você que eu exploro a selva
Você que eu seco a saliva

Você que é tão ambígua
Você que é tão passiva
Você que não tem rota
Você que me amarrota

Você que me custa
Você que me cospe
Você que me assusta
Você que me assunta
Você que me atenta

Você que não tenta
Você que se senta
Você que observa
Você que se reserva

Você que é tão compacta
Você que é tão intacta
Você que é tão vasta
Você que eu não caibo

Você que me arrasta
Você que é tão casta
Você que me basta
Você que é tão besta
Você que me tragou numa Sexta

Você que reluz
Você que é travesseiro
Você que faz brilhar

Você que é o ano inteiro
Você que me pega
Você que se propaga
Você que me profana
Você que se engana
Você que me perdoa
Você que é meu olhar

Você que aquece a cama
Você que é fogo e ar

Você que não chama
Você que é terra e mar

Você que me cala
Você que não fala
Você que me entala
Você que arruma o quarto
Você que desfaz a sala

Você que me chupa
Você que me arranha
Você que me despe
Você que me lambe
Você que me veste

Você que me envaidece
Você que me esquece
Você que me alegra
Você que me emputece

Você que me engole
Você que me apodrece

Você que não acaba
Você que me escarnece

Você que me cega
Você que não enxerga
Você que me nega

Você que tem medo
Você que não se entrega
Você que é tão fútil

Você que é tão útil
Você que me inutiliza
Você que apesar de tudo ameniza

Você que me hostiliza
Você que me tortura
Você que me agoniza

Você que me analfabetiza
Você que não sei compor

Você que me detesta
Você que não presta
Você que é minha festa
Você que é tanta dor

Você que me infesta
Você que espia atrás da fresta
Você que me refresca
Você que teme o amor

Você que me fustiga
Você que me instiga
Você que me investiga
Você que me mastiga

Você que me abandona
Você que me dispensa
Você que se dispersa

Você que me transcende
Você que se apaga
Você que me acende
Você que se trai

Você que não sai

Você que nunca cai

Você que é minha náusea
Você que é minha ânsia
Você que é meu nível
Você que é meu mal imprescindível

Você que me enrola
Você que eu embromo
Você que me oscila
Você que me oscula
Você que é minha gula

Você que eu como
Você que me embriaga

Você que me sacia
Você que é minha praga

Você que me vicia
Você que me afaga
Você que me afoga

Você que é ironia
Você que é hipérbole
Você que é em demasia

Você que é meu remédio
Você que é minha azia
Você que não me serve

Você que me vigia
Você que não liga
Você que me intriga

Você que eu não quero
Você que eu não lembro

Você que eu me entrego
Você que eu ainda aumento

Você que eu me emprego
Você que tem tanto tempo

Você que vem de dentro da cidade
Você que vem do centro da saudade
Você que vem de todos os lugares
Você que não está em nenhum lugar

Você que ainda falta
ocê que tem que terminar

Você que é tantas páginas
Você que não sai de mim

Você que é meu começo
Você que é meu sim

Você que não tem preço

Você que é você

Você que não tem fim

Você …

por Ariston Sal Junior

Comentários

comentários


Sobre Sal (291 Artigos)
Jornalista, blogueiro, letrista, cantor em uma banda de rock, fã de música, quadrinhos e cinema
  • Sal, gostei demais. Aliás, senti. Escreva mais. Para a nossa alegria!!!

    • Sal

      Obrigado, Denize!
      Confesso que ultimamente estou em débito com as poesias, mas tenho um crédito bom por ter escrito algumas por 20 anos. Tenho outras aqui no Blog que eu acho que vc vai gostar! Aos poucos vou postando outras! 😉

  • Uma poesia inspiradora, você escreve muito bem, da umas dicas de como escrever bem assim. rsrs

    • Sal

      Muito obrigado, Lully!
      Dicas não saberia dar, mas ler bastante e praticar a escrita acho que é um caminho! 😉

      • Ler é essencial mesmo, e praticar sempre.
        Acho que estou no caminho certo então.
        Gostei muito do seu blog, vou sempre visitar. 🙂

  • Monica Santanna

    Parabéns,
    Voce que escreve tao bonito
    Com esse jeito esquisito
    De desvendar nossa alma
    sem precisar olhar…

    • Sal

      Muito obrigado, Monica!

  • Anônimo

    Muito bom! Interessante, profundo e delicioso de ler.

  • Isandro Fiamoncini

    Parabéns pra você… Show.

    • Ariston Sal Jr

      Muito obrigado, Isandro!