Se Pablo Picasso retratasse os heróis… e vilões dos quadrinhos

Inspirados nos traços do pintor espanhol Pablo Picasso, um trio de fotógrafos/designers da Wonder Bros criaram imagens de alguns heróis e vilões dos quadrinhos. Dá um confere aí na galeria. Se gostou, dá até para comprar, por aqui, as obras dos caras.

Anúncios

Como estão agora os personagens famosos da nossa infância?

tumblr_nbu4nvGZe01tt4w91o1_500

O desenhista Steve Cutts teve a ideia de fazer uma animação com personagens dos anos 1980 e 1990, imaginando como eles estariam hoje em dia, ou, como no original em inglês: Where Are They Now?

Steve Cutts é um artista inglês que, após trabalhar como ilustrador em Londres, decidiu levar a vida como um profissional freelancer. Esta animação dos personagens de desenhos, embora em inglês, vale o clique no play, mesmo que seja para ver os traços do artista em sua concepção para o futuro dos personagens.

Com Eva Green nua, Sin City: A Dama Fatal ganha trailer para adultos

O novo trailer do longa Sin City: A Dama Fatal foi divulgado primeiro na Comic-Con, que terminou no último final de semana e agora está na internet. O filme é uma história baseada no universo da HQ criada por Frank Miller, Sin City, já adaptada aos cinemas em 2005 , contando uma outra história, Sin City: A Cidade do Pecado.

Agora o que chega às telas é uma adaptação da HQ homônima, publicada em 1994, pela editora Dark Horse Comics. A Dama que dá nome à história é interpretada pela bela Eva Green, e será responsável por causar caos e guerra entre as gangues da nova trama. O elenco traz nomes conhecidos do longa de 2005, como Bruce Willis, Jessica Alba, Mickey Rourke e Rosario Dawson e caras novas como Josh Brolin que substitui Clive Owen no papel de Dwight, além de Joseph Gordon-Levitt e Lady Gaga. 

O filme será dirigido pela dupla Frank Miller e Robert Rodriguez, que repetem a dobradinha do primeiro longa. O filme tem previsão de estreia para 22 de agosto.

Confira a galeria de imagens do filme…

Thor será uma mulher

MarvelThorWoman4

No mundo dos quadrinhos, vira e mexe alguém tem uma ideia “brilhante” para alavancar as vendas. Se mata e ressucita personagens de uma história para outra, muda-se uniformes, reconta-se origens, casam, separam e no meio disso tudo, eis que surge a notícia de que uma mulher ocupará o lugar do deus do trovão, Thor, nas histórias em quadrinhos da Marvel Comics.

Segundo o anúncio da Marvel, ainda não há muitos detalhes do que vai acontecer, mas aparentemente o Thor que conhecemos hoje “será considerado indigno” para manusear o Mjölnir, e uma mulher irá receber os poderes do Deus do Trovão. Apesar de seu gênero, a mulher passará a ser conhecida como Thor.

“A inscrição no martelo de Thor diz: ‘Todo aquele que segura este martelo, se ELE for digno, possuirá o poder de Thor’. Bom, esta na hora de mudar essa inscrição”, afirmou Will Moss, editor da Marvel. “Esta nova série segue a tradição da Marvel de apresentar personagens femininas fortes, como a Capitã Marvel, a Tempestade, a Viúva Negra e muitas outras. E essa nova Thor não é uma substituta temporária. Ela agora é a única Thor, e ela é digna do Mjölnir”, completou Will Moss, em comunicado oficial da empresa.

MarvelThorWoman3

Maltratos com a língua portuguesa

Como diz o bom e velho ditado: é melhor ouvir isso que ser surdo. Porém, ah, porém, ouvir certas atrocidades que cometem com a língua portuguesa faz mal para a audição. Não custa nada se esforçar um pouquinho, ler bons livros e não incorrer em alguns vícios de linguagem. Eu confesso que cometo alguns por causa do sotaque carioca, mas… Me esforço para falar menos errado possível. E dou uma dica, ler, sempre a leitura como praxe te ajuda e escrever e falar melhor. Pratique leitura!

Bom, o site Quadrinhos Ácidos fez uma “tirinha” que reúne os erros mais comuns cometidos de Norte a Sul do País. Confira!

Quadrinhos Ácidos
Quadrinhos Ácidos

Kurt Cobain terá biografia em quadrinhos lançada em abril nos EUA

Biografia de Kurt Cobain
Biografia de Kurt Cobain

Uma notícia bem bacana que une duas paixões que tenho, música e quadrinhos. Acabei de ler apouco na Internet que o vocalista/guitarrista/compositor do Nirvana, Kurt Cobain, “ganhou” uma biografia no final de 2013, em formato HQ.

Escrita por Danilo Deninotti e desenhada por Toni Bruno, Kurt Cobain: When I Was An Alien, sem previsão de lançamento no Brasil, foi publicada na Itália, pela editora Edizioni BD e mostra a infância e a juventude de Cobain. Em abril a edição deve ganhar uma versão americana, através da editora One Peace Book, terá 100 páginas e chegará às comic shops americanas ao preço de US$14.

Sinopse: “Enquanto crescia, Kurt Cobain acreditava que era um alienígena e que seus pais não eram seus pais de verdade. Ele achava que seria resgatado por sua raça original mais cedo ou mais tarde, ou pelo menos conheceria outros como ele. Eventualmente, Kurt conheceu garotos que pensavam da mesma maneira e criou o Nirvana, a banda que “mudou” o mundo da música para sempre. Criada por dois novos quadrinistas italianos, esta graphic novel de não-ficção acompanha o crescimento de Kurt Cobain, de sua infância à fama mundial que veio com o lançamento de Nevermind, mostrando como a vida suburbana pode ser dura para um adolescente e como a música e a amizade ajudam a preencher esse vazio, especialmente quando alguém se sente diferente. Sozinho.”

 – Imagens e sinopse divulgado pela Bleeding Cool –

A Morte do Super-Homem – quando comecei a colecionar quadrinhos

death-of-Superman-Vol.-2-75-1993-Cover
Em 1992 o Superman, que aqui no Brasil ainda se chamava Super-Homem, morria e eu comecei a colecionar e admirar a arte dos quadrinhos. Na época esse evento fez barulho não apenas na mídia especializada, mas vários veículos de comunicação alardearam a notícia para todos saberem que o maior herói de todos os tempos iria morrer. Aqui no Brasil, até o Fantástico fez matéria sobre o assunto.

DC Comics   editora do Super, atravessava um grande dilema sobre o que fazer com as revistas do azulão. Pensaram até mesmo em cancelar os títulos, mas isso iria trazer mais problemas do que soluções. Falar em solução, a idéia da editora foi reunir a equipe criativa do personagem para criar uma grande história a fim de alavancar as vendas das revistas.

Na época com 54 anos de idade, o personagem já tinha sua marca mais do que solidificada e movimentava uma grande soma em dinheiro em merchandising. Mike Carlin, editor das revistas do Superman nos EUA, planejou junto com a equipe de artistas envolvidos nos títulos do Super colocar o herói no centro das atenções, através de uma história em que ele lutava com um novo personagem, o Doomsday, aqui no Brasil batizado de Apocalipse. Mas Superman só conseguiria deter o vilão pagando com a própria vida.

Superman-Doomsday-color

Longe de ser um clássico dos quadrinhos, como Watchmen, Batman – O Cavaleiros das Trevas, ou A Piada Mortal, A Morte do Superman tem toda pinta de que foi feita as pressas e a carência de uma boa história é visível no desenrolar da trama a cada página que folheamos. Mesmo assim a estratégia da DC deu certo e a saga foi um sucesso avassalador. As vendas foram recordes e até mesmo quem não gostava do Super comprou a revista para ver sua morte.

Aqui no Brasil a história saiu publicada pela Editora Abril, em um único volume, diferente dos EUA, onde o desenrolar da saga saiu em várias revistas do Superman. Um especial intitulado A Morte do Super-Homem, onde a capa, com efeito em relevo, trazia o famoso símbolo do herói sangrando.

A Morte do Super-Homem capa

A partir dessa edição foi que eu comecei a comprar quadrinhos. Depois da Morte do Super, eu queria saber o desenrolar daquele universo, como a Lois Lane ficaria, os pais de Clark Kent e os outros heróis? As revistas que comprei em seguida a morte foi “Funeral para um Amigo” e “Além da Morte”, que traziam as consequências diretas do combate mortal.

Acabei comprando mensalmente as revistas do Super em banca. Claro que ele retornou da morte em um especial que também vendeu muito bem, chamado O Retorno do Super-Homem. Ampliei para os outros heróis da DC (Batman, Liga da Justiça…) e fui catar em sebos do Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Santa Maria-RS as edições anteriores.

Colecionei por 10 anos. Ainda tenho muito bem guardadas cerca de duas mil revistas. Alguns clássicos, raros, mas isso é uma outra história.

Interessou? Vc pode comprar a reedição dessa história aqui e aqui, mas é uma pena ser tão caro.

A DC também lançou uma versão animada em DVD e Blu-Ray, em 2007. Confira o trailler:

Resgate – Texto escrito em 17 de Novembro de 2012

300

Arte dos quadrinhos escrito por Frank Miller

A Graphic Novel de Frank Miller, publicada em 1998 e batizada no Brasil de Os 300 de Esparta, é umas das histórias em quadrinhos mais maneiras que já li. Quando anunciaram o lançamento para o ano de 2006 (aqui no Brasil em 2007) da adaptação cinematográfica da história, me empolguei com a possibilidade de ver transporta para a telona, uma das minhas graphic prediletas. Ainda bem que a espera não foi em vão e o filme faz jus a história, com um visual muito foda bem feito.

Arte da Graphic Novel escrita por Frank Miller
Arte da Graphic Novel escrita por Frank Miller

Mesmo não recebendo nenhuma indicação ao Oscar de 2008, o filme 300 é um bom filme, honesto ao que se propõe. Aliás, a adaptação é competente e só enleva o original de Miller, que por sua vez é a sua versão pessoal da história real da batalha entre gregos e persas. Zack Snyder, o diretor, realizou uma adaptação fidelíssima da história em quadrinhos, carregada de imagens literalmente fiéis a obra.

Snyder aceitou o desafio de levar para os cinemas uma graphic novel cultuada pelos fãs e tida como um dos mais elaborados e importantes trabalhos feitos por Frank Miller e colorido por sua (ex) esposa, Lynn Varley. Os fanáticos por história em quadrinho (HQ) não poderiam imaginar que o resultado fosse tão bom. E o bacana é que Frank Miller acompanhou os trabalhos de perto, conferindo autenticidade à obra cinematográfica.

Fidelidade a obra original
Fidelidade a obra original

Com Gerard Butler, Rodrigo Santoro e Lena Headey no elenco, a trama gira em torno do embate entre persas, liderados pelo Rei Xerxes (Santoro) e espartanos, sob comando do Rei Leônidas (Butler). A resistência de Leônidas, com sua guarda de elite e alguns poucos gregos, encurralam numa certa região da Grécia, centenas de milhares de persas de forma violenta e sanguinária.

2007-01-05-300_the_movie

A célebre Batalha nas Termópilas é linda e cruelmente reproduzida nas telas. O visual do filme é primoroso, com o diretor Snyder mostrando todo seu talento. A narrativa é inquietante, afiada, com recursos gráficos de computação muito bem empregados a favor da história. Diferente do que acontece em produções recentes, onde esta solução às vezes é utilizada para cobrir falhas.

300 é filme para assistir na tela grande do cinema, aproveitando todos os recursos que uma boa sala de projeção proporciona. Mas para rever a obra, ou tomar contato pela primeira vez, vale e muito assistir novamente em uma boa tela plana acoplada a um sistema de Home Theater. Eu tenho o DVD e o Blu-Ray. Eu sou colecionador. Mas, se você não é, peça emprestado. Vale a pena assistir de novo, afinal, “This is Sparta!!!!!!”.

A sequência

A continuação de 300 tem estreia prevista para o dia 7 de março próximo. A nova história do longa metragem, com o título de 300: A Ascensão de um Império, transcorre paralela à Batalha das Termópilas do primeiro filme e explica as origens do rancor de Xerxes contra os gregos.

Em declaração a imprensa, no ano passado, Frank Miller disse:
“A trama começa dez anos antes de 300, em Maratona – que foi sensacional de desenhar, apesar da trabalheira. O escopo é muito maior. A trama se passará ao longo desses dez anos, não apenas três dias, e trata de assuntos vastos: a frota naval de Atenas, espionagem… O protagonista é Temístocles, que se tornou o general grego e construiu a frota naval de Atenas. A história é diferente de 300 porque envolve a busca de Xerxes pelo endeusamento. A existência de deuses é um pressuposto desta história, e a ideia é que ele está a caminho de se tornar uma deidade”.

Batman – O Cavaleiro das Trevas

wallpaper_batman-the-dark-night

A trilogia do Batman, dirigida por Christopher Nolan é brilhante. Esse é um dos meu filmes prediletos no gênero. Porém, dos três filmes, sem dúvida o segundo é, na minha opinião e de muitos fãs, o melhor. Em Batman – O Cavaleiro das Trevas (Batman – The Dark Knight, 2008), o diretor reacendeu a mitologia do personagem.

Christian Bale veste novamente o uniforme negro do homem morcego (ele interpretou o personagem nos três filmes do Nolan) e enfrenta o seu principal vilão, o Coringa, aqui, interpretado de forma magistral pelo saudoso Heath Ledger (que morreu após as filmagens).

Sobre a história  é melhor eu não me aprofundar pra evitar spoiler. Se bem que geral já viu esse filme. Mas vamos a um resuminho. Nesta segunda parte da trilogia, Batman viaja ao redor do mundo em sua luta para impedir uma nova ameaça criminosa. Auxiliado pelo tenente Jim Gordon (Gary Oldman) e o promotor Harvey Dent (Aaron Eckhart), Batman tem feito avanços contra o crime local em Gotham… até que um gênio do crime, conhecido como Coringa, libera uma onda de caos e terror na cidade. Para impedir a nova ameaça o Cavaleiro das Trevas terá que empregar todo seu arsenal e habilidades e confrontar até mesmo suas maiores crenças.

heath-ledgers-joker-wins-oscar
A atuação de Heath Ledger como o Coringa lhe consagrou com um Oscar póstumo

Ledger merece todos os louros pela sua atuação no filme. Em uma pesquisa rápida pela internet, é quase unânime a opinião da crítica especializada que essa é a atuação definitiva do ator que nos deixou tão cedo, aos 28 anos, em janeiro de 2008.

Mais do que eu escrever sobre o filme e você ficar lendo, o bom mesmo é ir pegar a pipoca, colocar o filme no player e curtir essa megaprodução cinematográfica.

Confira abaixo a galeria de wallpapers do filme

Vilões “reais”

Uma sacada genial do artista Butcher Billy. Ele pegou os principais vilões da DC e da Marvel e os “transformou” em “vilões” do mundo real… Charles Manson de Coringa, Adolf Hitler de Galactus e George W. Bush de Duas Caras foi genial. Menção honrosa ao Loki Zuckerberg!