Leia também

Morre Dona Ivone Lara aos 96 anos

Morre Dona Ivone Lara aos 96 anos

Símbolo da nobreza feminina do Samba, Dona Ivone Lara morreu na noite de ontem, segunda-feira, 16 de abril.

Primeira mulher a compor um samba-enredo para uma escola de samba, Dona Ivone Lara é um dos principais nomes do Samba no Brasil. Sua morte, devido a um quadro de insuficiência cardiorrespiratória, é sentida pelos seus fãs, parentes e amigos.

De acordo com o site de notícias G1, a sambista estava internada em um hospital da Zona Sul do Rio de Janeiro desde o dia 13 de abril, data em que comemorou seu aniversário de 96 anos. (Ivone sai de cena aos 96 anos – e não aos 97 anos, pois a mãe de Ivone aumentou oficialmente a idade da filha em um ano para permitir o ingresso da menina em colégio interno em 1932).

Dona Ivone Lara nasceu no bairro de Botafogo-RJ e ficou órfã muito cedo. Suas primeira influências musicais foram com os mais, mesmo tendo sido curto o convívio. Criada pelos tios, aprendeu a tocar cavaquinho e se apaixonou perdidamente pelo Samba. Anos mais tarde formou-se em Enfermagem e atuou como assistente social até 1977, quando passou a se dedicar exclusivamente à música.

Primeira mulher a se destacar compondo samba-enredo, cantora é ícone na história da MPB

Compositora de inúmeros sucessos, como Sonho MeuSorriso Negro e Alguém me avisou, gravados por artistas do calibre de Clara Nunes, Roberto Ribeiro, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paula Toller, Paulinho da Viola, Beth Carvalho, Mariene de Castro e Roberta Sá e Dorina, Dona Ivone Lara casou-se com Oscar Costa, presidente da escola de samba Prazer da Serrinha, com quem teve dois filhos, Alfredo e Odir, este último morto em 2008.

Sua primeira composição data do ano de 1934, assinando o partido alto Tiê com Mestre Fuleiro (1912 – 1997) e Hélio dos Santos (1917 – 2007). Em 1965, Ivone foi admitida na ala de compositores da escola Império Serrano, uma das quatro grandes do Carnaval carioca, ao lado das tradicionais Mangueira, Portela e Salgueiro. Lá assinou o aclamado samba–enredo Os cinco bailes da história do Rio (Ivone Lara, Silas de Oliveira e Bacalhau, 1965). Ivone não foi a primeira mulher a abrir essa ala (proeza que coube a Carmelita Brasil em 1959, na Unidos da Ponte), mas foi a primeira a se destacar nacionalmente nesse terreiro historicamente masculino.

Morre Dona Ivone Lara aos 96 anos

Dona Ivone Lara, em foto da capa do álbum 'Nasci para sonhar e cantar', de 2001 (Foto: Divulgação / Silvana Marques)

 

 

Comentários

comentários


Sobre Sal (317 Artigos)
Jornalista, blogueiro, letrista, já fui cantor em uma banda de rock, fotógrafo, fã de música, quadrinhos e cinema...