75 anos de Aldir Blanc celebrado em álbum inédito

Projeto com 12 canções reúne nomes da MPB em homenagem a Aldir

Lançado hoje, 24 de setembro, o álbum Aldir Blanc Inédito apresenta 12 canções compostas a partir de letras inéditas do mestre Aldir. A data também contempla a estreia do clipe com a canção Agora Eu Sou Diretoria, gravada por João Bosco.

Não à toa Caymmi chamava Aldir Blanc de “Ourives do Palavreado”. Para atestar a frase do mestre baiano, basta conferir a prolífica obra deixada pelo carioca Aldir no cancioneiro brasileiro. Não era surpresa então, supor que o compositor tivesse em seu arquivo boas e novas pérolas inéditas, que esperavam ganhar a voz do dia.

Aldir Blanc Inédito, 12 canções são interpretadas por nomes consagrados da nossa música, como o já citado Bosco (com quem fez diversos clássicos desde que se conheceram, na virada para 1970), Maria Bethânia, Chico Buarque, Leila Pinheiro e outros. O projeto está nas plataformas de música e, em outubro, ganha uma edição física pela gravadora Biscoito Fino.

O álbum começou a tomar forma quando Mary Lúcia de Sá Freire, viúva do compositor morto em maio de 2020, vítima de complicações da Covid-19, voltou de uma viagem ao sul do País, no início deste ano. 

Determinada a rever sua nova jornada e honrar a memória do marido, Mary reuniu manuscritos, letras e poesias inéditas, material que chegou até a gravadora carioca pelas mãos da cantora e compositora Ana de Hollanda e de Sônia Lobo, administradora da Nossa Música, braço editorial da Biscoito Fino. 

Aldir Blanc Inédito foi realizado com a contribuição de parceiros e amigos de Aldir Blanc: algumas músicas já estavam finalizadas, outras ganharam melodias neste ano. O projeto foi gravado em tempo de celebrar os 75 anos do compositor e cronista, nascido em 2 de setembro de 1946.

Aldir Blanc Inédito é a prova de que a poesia de Aldir permanecerá reverberando. A esperança equilibrista sabe que o show de todo artista tem que continuar.

Renato Vieira – Setembro/ 2021

Repertório e intérpretes

1 – Agora eu Sou Diretoria (João Bosco e Aldir Blanc) – João Bosco

2 – Palácio de Lágrimas (Moacyr Luz e Aldir Blanc) – Maria Bethânia

3 – Baião da Muda (Moyseis Marques, Nei Lopes e Aldir Blanc) – Moyseis Marques

4 – Voo Cego (Leandro Braga e Aldir Blanc) – Chico Buarque

5 – Navio Negreiro (Guinga e  Aldir Blanc)- Leila Pinheiro / Guinga

6 – Provavelmente em Búzios (Cristóvão Bastos e Aldir Blanc)- Dori Caymmi

7 – Acalento (João Bosco, Moacyr Luz e Aldir Blanc)– Ana de Hollanda

8 – Aqui, Daqui (Joyce/Aldir Blanc) – Joyce Moreno

9 – Mulher Lunar (Luiz Carlos da Vila, Moacyr Luz e Aldir Blanc) – Moacyr Luz

10 – Outro Último Desejo (Clarisse Grova e Aldir Blanc) – Clarisse Grova

11 – Ator de Pantomima (Sueli Costa e Aldir Blanc) – Sueli Costa

12 – Virulência (Alexandre Nero, Antônio Saraiva e Aldir Blanc) – Alexandre Nero

Ficha Técnica

Idealização e pesquisa: Mary Sá Freire
Arranjos: Cristóvão Bastos
Produção musical: Jorge Helder
Produção executiva: Ana Basbaum
Gravado, mixado e masterizado no estúdio da Biscoito Fino por Lucas Ariel, exceto a faixa “Palácio de Lágrimas”, gravada por Edu Costa.
Assessoria de Imprensa: Coringa Comunicação

sal

Jornalista, blogueiro, letrista, já fui cantor em uma banda de rock, fotógrafo, fã de música, quadrinhos e cinema...

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: