Música

Obra do Mundo Livre S.A. ganha reedição

25 jul , 2018  

Obra do Mundo Livre S.A. ganha reedição
Obra do Mundo Livre S.A. ganha reedição

Carnaval na Obra, do mundo Livre S.A., terceiro álbum do grupo pernambucano, gravado há 20 anos, ganha reedição.

Esse álbum é o primeiro sem o músico Otto, que debandou para uma carreira solo.

O (re)lançamento desse ótimo disco se dá através da série Clássicos em Vinil, da Polysom, nesse mês de julho.

Mundo Livre S.A um dos precursores do Mangue Beat

O Mundo Livre S.A é banda precursora, ao lado de Chico Science & Nação Zumbi, do movimento que sacudiu o pop nacional nos anos 1990, conhecido como Manguebeat.

Otto e Fred Zero Quatro, por exemplo, são os nomes do grupo que mais se destacaram, ao lado de Chico no cenário recifense. Além disso, o grupo ajudou a formatar um estiloso tipo de som no pop brazuca.

O terceiro álbum do Mundo Livre S.A. foi também o primeiro título do catálogo da então nascente Abril Music. Essa foi uma gravadora que iria turbinar o mercado fonográfico do Brasil.

Por outro lado, comandada pelo executivo Marcos Maynard, a Abril Music  saiu de cena por conta das próprias pretensões faraônicas.

Gravado com a formação Fred Zero Quatro (voz, cavaquinho, guitarra, violão, banjo e surdo), Tony (bateria, caixa de ferramentas, programação de bateria eletrônica e vocal), Fábio (baixo), Bactéria (teclados, guitarra e vocal) e Marcelo Pianinho (percussão), o álbum Carnaval na obra foi idealizado por quatro produtores – Apollo 9, Carlos Eduardo Miranda (1962 – 2018), Eduardo BiD e Edu K – e deixou marcada músicas como Bolo de ameixa e Quem tem bit tem tudo, ainda relevantes no repertório da banda 20 anos após o lançamento do disco.

 

, , ,

Música

O mundo todo dança no novo clipe de Anitta

20 jul , 2018   Video

O mundo todo dança no clipe de Anitta, mas eu confesso que fiquei de fora desse evento.

Explico, não sou o público de Anitta. Mas, certamente, sei reconhecer um trabalho bem feito e dentro do que ela se propõe a fazer tem realizado seus objetivos com mérito.

O novíssimo clipe da música “Medicina”, por exemplo, chegou ao Youtube poucas horas depois de ser lançado nas plataformas de streaming.

More…

, ,

Cinema

Coringa de Joaquin Phoenix ganha data de estreia

19 jul , 2018  

Coringa de Joaquin Phoenix ganha data de estreia

Coringa de Joaquin Phoenix ganha data de estreia. Será no dia 4 de outubro de 2019. Data que a Warner Bros. divulgou como oficial para estreia do filme solo do “palhaço do crime”.

Interpretado pelo ator Joaquin Phoenix, a trama será baseada na clássica história em quadrinhos, A Piada Mortal, assina por Alan Moore.

Em suma, se bem feito, tem tudo para ser um filmaço.

More…

, , ,

Música

Inédita de Ney Matogrosso na trilha de Malhação

18 jul , 2018  

Inédita de Ney Matogrosso na trilha de Malhação

Inédita de Ney Matogrosso na trilha de Malhação e alguns se perguntarão o porque de se escrever sobre isso. Confesso que Malhação não é o motivo.

Porém, Ah porém, Ney Matogrosso me interessa e muito.

Eu não sou o público e confesso não me importar com a novela Malhação – Vidas brasileiras. Mas, por outro lado, não posso negar que a nova trilha sonora do folhetim juvenil da Rede Globo está sensacional.

O soundtrack da novela apresenta para um público jovem artistas da melhor “catiguria”. Gente do naipe de Paulinho Moska, Rincon Sapiência e a revelação Iza. Isso sem contar Marisa Monte, Tiê e Silva.

More…

, ,

Pitadas

Coletânea celebra 35 anos do Biquini Cavadão

17 jul , 2018  

Coletânea celebra 35 anos do Biquini Cavadão

Coletânea celebra 35 anos do Biquini Cavadão. Importante banda dos anos 1980, que se mantém relevante ao seu público ainda hoje.

Mas, por outro lado, o grupo geralmente é relegado injustamente ao segundo escalão do Rock Nacional.

Porém, o mais importante é a banda Biquini Cavadão chegar aos 35 anos de existência com honestidade e vigor que muitos da “elite” do BRock nunca tiveram.

More…

, , , , ,

Sem categoria

Zé Ramalho apresenta releitura de seu primeiro álbum solo

16 jul , 2018  

Zé Ramalho apresenta releitura de seu primeiro álbum solo

Eu já havia antecipado a parada aqui no Pitadas em maio. Agora é pra valer. Na próxima sexta-feira, dia 20 de julho, chega ao mercado fonográfico Avôhai 40 anos – Remake pop rock. Um “remake” do primeiro álbum solo do paraibando Zé Ramalho, lançado originalmente em 1978 e batizado apenas com o seu nome.

Ramalho é diretor artístico do projeto editado em uma parceria da editora Avôhai e o selo Discobertas, onde novos artistas da cena independente brasileira do pop rock recriam as nove múzicas compostas por Ramalho. O único nome conhecido no elenco de artistas que fazem as releituras é o de Robertinho do Recife, que apresenta a sua versão de Bicho de 7 cabeças (Zé Ramalho, Geraldo Azevedo e Renato Rocha).

Apesar de Avôhai 40 anos – Remake pop rock apresentar 12 faixas, ao invés das 9 originais do disco de 1978, deve-se ao fato de que três composições – A dança das borboletas (Zé Ramalho e Alceu Valença), A noite preta (Zé Ramalho, Lula Cortes e Alceu Valença) e Voa voa (Zé Ramalho) – figuram no disco em duas gravações, cada uma, feitas por artistas distintos.

As faixas são produzidas por Marcelo Fróes, mentor e proprietário da Discobertas. E como destaque vale lembrar que o primeiro solo de Zé Ramalho é o disco que trazia para o público cançoes, hoje clássicas, como Avôhai, Chão de Giz e Vila do Sossego.

Zé Ramalho apresenta releitura de seu primeiro álbum solo

Segue a lista das canções e os respectivos artistas que as interpretam:

1. Avôhai (Zé Ramalho) – Eminência Parda

2. Vila do sossego (Zé Ramalho) – Paul Rock

3. Chão de giz (Zé Ramalho) – Via Rock

4. A noite preta (Zé Ramalho, Lula Cortes e Alceu Valença) – João Ramalho (versão 1)

5. A dança das borboletas (Zé Ramalho e Alceu Valença) – Sent U Feeling (versão 1)

6. Bicho de 7 cabeças (Zé Ramalho, Geraldo Azevedo e Renato Rocha) – Robertinho de Recife

7. Adeus segunda-feira cinzenta (Zé Ramalho e Geraldo Azevedo) – Prima Facie

8. Meninas de Albarã (Zé Ramalho) – Mazzeron

9. Voa voa (Zé Ramalho) – Linda (versão 1)

Faixas-bônus:

10. A noite preta (Zé Ramalho, Lula Cortes e Alceu Valença) – OgroJazzBend (versão 2)

11. A dança das borboletas (Zé Ramalho e Alceu Valença) – Novanguarda (versão 2)

12. Voa voa (Zé Ramalho) – Luiz Lopez (versão 2)

, , ,

Sem categoria

Netflix terá série sobre Anitta

13 jul , 2018  

Netflix terá série sobre AnittaA carioca Anitta está em tão boa fase em sua carreira que, além de ter bombada na edição do Rock in Rio em Portugal, e ser a única artista já confirmada para o Rock in Rio do ano que vem, a Netflix divulgou essa semana que uma série documental, batizada Vai Anitta, estrelada pela funkeira, chega ao serviço de streaming em breve.

Aos 25 anos Anitta é sucesso, goste você ou não. Por isso, câmeras irão acompanhá-la no dia a dia para captar cenas íntimas, viagens, tomadas de decisões e momentos de lazer, como o passeio com os cachorros mostrado no trailer de divulgação.

A própria Anitta, em um vídeo divulgado na conta do Twitter da Netflix, brinca: “Gente, sabe aquela expressãozinha que a gente usa: ‘minha vida tá tão louca que daria uma série’?”.

E para quem duvidava da cantora, Anitta tá bombando no exterior e é recorrente as diversas parcerias, participações em programas de TV e premiações na gringa. O singleDowntown” foi o primeiro de um artista brasileiro a ser listado no Top 20 do Spotify, enquanto “Vai Malandra” quebrou todos os recordes nacionais do streaming e foi a primeira música brasileira no Top 25 Mais Tocadas no Mundo da plataforma.

Vai Anitta é a terceira investida da Netflix em conteúdo original sobre música, que utiliza o estilo documental. Em 2017 foi lançado o filme documentário Gaga: Five Foot Two, onde Lady Gaga era acompanhada no processo de lançamento do disco Joanne. No começo deste ano, o serviço de streaming apresentou a série Rapure, sobre o hip-hop nos Estados Unidos e no mundo.

Vai Anitta ainda não tem número de episódios certo ou data de estreia, mas sai esse ano.

, , , ,

Sem categoria

Indiana Jones 5 terá Harrison Ford com quase 80 anos

11 jul , 2018  

Indiana Jones 5 terá Harrison Ford com quase 80 anos

Indiana Jones 5 terá Harrison Ford com quase 80 anosPrevisto para 2019, adiado para 2020, Indiana Jones 5 tem data de lançamento adiada novamente para 2021, data em que o ator Harrison Ford, que é a cara do personagem, terá 79 anos. O motivo do atraso não foi comentado pela Disney; embora haja motivos para acreditarmos de que um novo escritor tenha sido contratado para melhorar o roteiro.

Agora a minha pergunta é: Depois do fracasso comercial de Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (2008), nós precisamos de mais um filme do famoso arqueólogo? Sério, parece que a criatividade em Hollywood para filmes originais acabou. É um tal de requentar filmes antigos com remakes, reboots ou continuações infindáveis que a parada dificilmente dá certo.

De acordo com reportagens da última semana de publicações da indústria de Hollywood de que o roteiro não estava concluído e que um novo escritor estava sendo contratado para melhorá-lo. A Disney não respondeu imediatamente a um pedido de comentário nesta terça-feira sobre o atraso.

O “clássico” Indy

Indiana Jones 5 reunirá novamente Harrison Ford com o diretor Stephen Spielberg na franquia “Indiana Jones” criada pelo cineasta George Lucas, que arrecadou quase US$ 2 bilhões em bilheterias ao redor do mundo e consolidou uma base sólida de fãs ao redor do globo.

Spielberg também tem uma série de outros projetos em que está trabalhando atualmente, incluindo um remake (tá vendo?) do musical “Amor, Sublime Amor” e o drama religioso “The Kidnapping of Edgardo Mortara”.

, , ,

Sem categoria

Filme documenta trajetória e importância da Blitz

10 jul , 2018   Video

Filme documenta trajetória e importância da Blitz

A banda carioca Blitz, na estrada por 36 anos ganha um documentário produzido em parceria com o Canal Curta! e a Viralata ProduçõesBlitz – O filme tem estreia prevista para novembro e conta a história da banda desde os primórdios, quando tomou de assalto o Brasil no marcante verão de 1982 até os dias de hoje.

A direção e o roteiro do longa ficaram a cargo de Paulo Fontenelle e conta com depoimentos de integrantes da Blitz da antiga e nova formação, como Evandro Mesquita (mentor da banda desde o início), Antônio Pedro (baixista da formação clássica) e Fernanda Abreu (uma das duas vocalistas também da formação clássica, ao lado de Márcia Bulcão). O filme alterna entrevistas inéditas com imagens raras de arquivo e, paralelamente à trajetória da Blitz, monta painel da cena de pop rock do Brasil.

Filme documenta trajetória e importância da Blitz

Espero um puta filme e um documento importante da virada dos anos 1980 na cultura contemporânea brasileira! (Evandro Mesquita)

Espero que não seja um oba oba e que contem as coisas boas e ruins que aconteceram. (Antônio Pedro)

O fato é que a relevância e o pioneirismo da Blitz, muitas vezes subestimada, ficarão, finalmente, registrado para a posteridade. A Blitz foi responsável por abrir as portas do mercado fonográfico para o pop rock nacional, que nos brindou com a magnífica cena dos anos 1980 com Titãs, Barão, Legião e tantos outros…

A ansiedade já bateu para assistir ao filme/documentário. Que chegue logo novembro.

Abaixo o especial Discoteca Básica sobre o primeiro álbum da Blitz, lançado em 1982

, , ,

Sem categoria

Álbum ao vivo do Skank tem capa inspirada no circo

6 jul , 2018  

Capa de álbum ao vivo do Skank tem inspiração no circo

Álbum ao vivo do Skank tem capa inspirada no circo

Álbum ao vivo do Skank tem capa inspirada no circo – Achei a capa do novo álbum do Skank muito bonita! A arte remete aos antigos pôsteres de circo. Talvez o fato de ter sido gravado no Circo Voador, no Rio de Janeiro, possa ter tido alguma influência. O show realizado em 25 de novembro do ano passado, batizado Os Três Primeiros, foi o registro escolhido pela banda mineira para este lançamento.

O novo álbum chega ao mercado fonográfico neste segundo semestre de 2018 e apresenta a formação cl[assica do Skank, com Samuel Rosa (voz e guitarra), Haroldo Ferretti (bateria), Henrique Portugal (teclados) e Lelo Zaneti (baixo) tocando músicas dos álbuns Skank (1992 / 1993), Calango (1994) e O samba poconé (1996) – os três primeiros da discografia do grupo.

Álbum ao vivo do Skank tem capa inspirada no circo

A ilustração, belíssima na minha opinião, foi realizada pelo artista plástico Emerson Camaleão, responsável por capas de revistas como MAD e Mundo estranho. Já o projeto gráfico ficou a cargo de Marcus Barão. A imagem é original e  afirma o bom gosto e preocupação do Skank com a apresentação de belas capas para os discos da banda. Imagina essa belezura em LP?

, ,