Pitadas

Saiba se o SMS que recebeu é do banco ou é golpe

4 jul , 2018  

 

Hoje em dia uma pessoa que viva sem smartphone deve se estudada pela Nasa. Fazemos quase tudo pelo celular e operações bancárias estão incluídas no pacote. Cientes disso os bancos comunicam-se frequentemente com seus clientes através de mensagens tipo SMS. Os aplicativos bancários tornou a rotina de ir a um banco físico quase obsoleta.

Porém, ah, porém sempre tem o malandro que tenta tirar proveito de tudo e essa tendência de operações bancárias não foi poupada. Golpistas enviam mensagens falsas como se fossem os bancos para roubar informações sigilosas e chegar até seu dinheiro ganho com tanto custo. A questão é como saber se o SMS que recebeu é mesmo do seu banco ou um golpe?

De acordo com uma matéria publicada recentemente no site da BBC Brasil, o especialista em informática Richard Thomas, da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, mostra o quão convincentes essas mensagens podem ser e ensina como detectar esse tipo de golpe.

Thomas diz que muitos criminosos usam programas de computadores capazes de enviar imediatamente centenas de mensagens de uma só vez. “Elas parecem perfeitamente autênticas”, garante. Esse tipo de fraude é chamada de “smishing“, uma combinação de SMS e “phishing“, que ocorre quando os hackers tentam se passar por uma pessoa ou entidade de confiança da vítima.

Saiba se o SMS que recebeu é do banco ou é golpe

Confira algumas dicas de especialistas para não cair nesse tipo de golpe.

1. Pedido para clicar em um link

Mensagens fraudulentas geralmente incluem um link e incentivam o destinatário a clicar nele. Você nunca deve responder ou clicar no endereço enviado. “Eu nunca clico no link de uma mensagem de texto”, explica Thomas. Elas também podem solicitar que você baixe um arquivo ou um software. Não o faça.

2. Incluem um número de telefone para chamar

Segundo Thomas, muitas dessas mensagens têm um número de telefone para entrar em contato. “Nem pense em ligar para esse número”, alerta. “Se você quiser entrar em contato com seu banco, verifique o número de telefone no verso do cartão bancário ou no site da entidade.”

3. Pedido de senha e outras informações

Você nunca deve fornecer senhas ou informações pessoais e confidenciais por meio de uma mensagem de texto. “Um banco nunca entraria em contato com você para pedir sua senha”, explica Faye Lipson, jornalista da Which, organização britânica de consumidores.

4. O número aparece numa pesquisa na internet

Outra maneira de checar se uma mensagem é falsa ou não é fazer uma busca na internet pelo número que a está enviando. Basta checar se o número aparece nos sites onde esse tipo de golpe é denunciado. Você também pode colocar o número entre aspas no Google ou em outro mecanismo de pesquisa para descobrir se aparece em alguma denúncia de golpe.

5. Mensagens que chegam ‘do nada’

Thomas diz que as mensagens fraudulentas geralmente vêm “do nada” e são enviadas sem que tenha sido feita qualquer solicitação. Isso ocorre porque geralmente é uma máquina que escolhe aleatoriamente os números para os quais envia as mensagens.

Normalmente, essas mensagens dizem que o banco atualizou “os termos e condições do serviço” ou que você precisa “confirmar seus dados”. Como regra geral, geralmente são desculpas para que os hackers possam acessar sua conta. Se você suspeitar de fraude, é recomendável bloquear o número que enviou a mensagem para não ficar registrado na rede dos vigaristas. “Nunca acredite que, porque a mensagem diz ser de uma entidade conhecida, ela é autêntica”, diz a jornalista Lipson.

A especialista também recomenda que você nunca dê seu número nas redes sociais ou responda a mensagens com “Stop (pare)” ou palavras parecidas para interromper o envio, “porque assim você estará apenas informando aos golpistas que sua linha de telefone está ativa”.

 

, , , , ,

Sem categoria

Os Incríveis 2 estreia em 1º lugar no Brasil

2 jul , 2018  

Os Incríveis 2 estreia em 1º lugar no Brasil

A animação Os Incríveis 2 estreou em primeiro lugar nos cinemas brasileiros e superou Jurassic World: Reino Ameaçado, que liderava há duas semanas as bilheterias no Brasil.

A animação produzida pela Disney/Pixar arrecadou R$ 25,2 milhões e vendeu 1,49 milhão de ingressos entre quinta-feira (28) e domingo (dia 1º). No mesmo período, Jurassic World: Reino Ameaçado fez R$ 10 milhões e vendeu 587,76 mil ingressos. Os números foram divulgados nesta segunda-feira (2) pela empresa de monitoramento comScore.

O novo “Jurassic World”, que já estava na liderança na ponta antes mesmo de estrear oficialmente, agora soma R$ 49,63 milhões e 3,07 milhões de ingressos vendidos. Em terceiro lugar, ficou “Oito mulheres e um segredo”, em sua quarta semana em cartaz. Neste final de semana, o longa faturou R$ 1,42 milhão e vendeu 76,85 mil ingressos.

Confira o 10 no Brasil entre 28 de junho e 1º de julho:

  1. “Os Incríveis 2” – R$ 25,20 milhões
  2. “Jurassic World: Reino ameaçado” – R$ 10,6 milhões
  3. “Oito mulheres e um segredo” – R$ 1,41 milhão
  4. “Sexy por acidente” – R$ 873 mil
  5. “Hereditário – R$ 585 mil
  6. “Sicário: Dia do soldado” – R$ 415,5 mil
  7. “Deadpool 2” – R$ 280 mil
  8. “Do jeito que elas quere” – R$ 250 mil
  9. “Desobediência” – R$ 213,78 mil
  10. “Vingadores: Guerra infinita” – R$ 128 mil

,

Sem categoria

Moska comemora 25 anos de carreira com álbum de inéditas

29 jun , 2018   Video

Moska comemora 25 anos de carreira com álbum de inéditas

Paulinho Moska, ou simplesmente Moska, iniciou carreira musical ainda na década de 1980, quando participou dos grupos Garganta Profunda e Inimigos do Rei (aquele da anã paraguaia, para quem não lembra), mas foi em 1993 que o músico carioca lançou sua carreira solo, com o álbum Vontade.

Nesses 25 anos de estrada solo Moska já participou de vários projetos, com incontáveis parcerias musicais. Talvez por isso fugiu do clichê de lançar algo retroativo de sua carreira para celebrar a data e nos apresenta um álbum de inéditas. Uma mostra do que chega por aí é a belíssima Minha lágrima salta, single produzido por Liminha e disponível nas plataformas digitais (ouça no fim do post).

A canção também faz parte da novela global Malhação, em que o filho de Moska, Tom Karabachian, participa do elenco.  O clipe foi gravado em Montevidéu, no Uruguai, com direção do próprio Moska em parceria com Pablo Casacuberta, parceiro do cantor há 12 anos no programa Zoombido, do Canal Brasil.

No clipe, o tema abordado na canção é tratado de forma poética: “Ao longo da música, ele vai multiplicando esses ‘eus’ perdidos até não conseguir se conter. Ninguém chora porque quer, então a lágrima salta mesmo, seja de tristeza, de emoção, de medo, de amor, de saudade, de solidão, de libertação… de tudo”, define Moska.

 

, , , ,

Pitadas

28 de junho é Dia do Orgulho LGBT – Uma celebração com lutas

28 jun , 2018   Video

28 de junho é Dia do Orgulho LGBT - Uma celebração com lutasHoje não se comemora apenas o dia do “orgulho gay“, ou dia do orgulho LGBT, pois nessas siglas não cabem toda a luta por direitos e reconhecimento de serem tratados como iguais, pois o são, gays, lésbicas, bissexuais e pessoas trans. Se hoje se discute sobre essas questões é porque houve muita gente lutando por reconhecimento. Mas ainda temos muito o que ouvir das demandas desse grupo, por séculos oprimido, que só quer valer sua voz.

A escolha do dia 28 de junho não foi aleatória, pois ela faz eco ao StoneWall-Inn, um bar de Nova York onde eram permitido os gays frequentarem sem os olhares enviesados de outros espaços que frequentavam. Isso no ano de 1969, quando não era comum locais de convivência para pessoas LGBT. O Stonewall conseguia manter-se em funcionamento por pagamento de propinas às autoridades locais, e mesmo assim batidas policiais e agressões aos frequentadores do lugar eram comuns.

Cansados da perseguição trans, drag queens, lésbicas e gays promoveram um confronto com as autoridades locais, tendo como estopim a agressão que uma lésbica sofreu de um policial. Houve confronto e uma travesti teria estimulado os presentes a lançarem moedas aos policiais, aos gritos de “Não é dinheiro que vocês querem? Tomem!”. Os protestos duraram cerca de três dias.

Orgulho Gay

Um ano depois do ocorrido em Stonewall, em 28 de junho de 1970, as ruas de Nova York recebia pela primeira vez a primeira Parada do Orgulho. A repressão policial deu origem ao dia celebrado. De lá para cá muitas reivindicações foram conquistadas, mas também houve alguns retrocessos, o que é “comum” nos processos sociais. Porém, entre a comunidade LGBT, o evento cresceu e se solidificou

Muitas conquistas foram feitas nas últimas décadas, como o fato de casais homossexuais poderem oficializar a união civil e adotar filhos, trabalhadores podem estender seus benefícios previdenciários e de plano de saúde aos seus cônjuges, transexuais podem mudar o nome no cartório sem a obrigação de terem passado por cirurgia de adequação sexual ou recebido autorização judicial, além de usar o nome social na Educação Básica. Outra conquista, recém alcançada, ocorreu na semana passada. O manual de doenças psiquiátricas mais importante do mundo não vê transgêneros como pessoas com problemas mentais.

Mas muito ainda há que se fazer… que novas conquistas sejam realizadas, pois qualquer maneira de amor vale a pena!

Velho Amigo

Toda vez que perco outro amante
Eu ligo para meu velho amigo
E eu digo: vamos nos ver
Estou deprimido
Outro amor, de repente, chegou ao fim
E ele escuta enquanto eu o conto minha triste história
E pondera o meu gosto em homens
E nós pensamos por que eu faço isso
E a dor de passar por tal situação
E ele ri e diz: Você fará isso de novo!
E nós sentamos num bar e conversamos até às duas
Sobre a vida e o amor como velhos amigos fazem
E contamos um ao outro pelo que temos passado
Como o amor é raro, a vida é estranha
Nada dura, as pessoas mudam
E eu pergunto se sua vida é sempre solitária
E se ele, alguma vez, sente desespero
E ele diz que aprendeu a amar isso
Porque já faz parte da sua vida
E isso o ajuda a sentir os bons momentos quando ele os tem

E nós ponderamos se eu viverei com outro amor
Ou se passarei minha vida sozinho
E o barman está zangado
E está chegando a hora de fechar
Então nós concluímos que eu farei do meu próprio jeito

Mas nós nos encontraremos no ano em que estivermos com 62
E viajaremos pelo mundo como velhos amigos fazem
E contaremos um ao outro pelo que temos passado
Como o amor é raro, a vida é estranha
Nada dura, as pessoas mudam

 

 

Algum Lugar

Há um lugar para nós
Em algum lugar, um lugar para nós
Paz, tranquilidade e ar puro
Espera por nós
Em algum lugar
Há tempo para nós
Algum dia, um tempo para nós
Tempo para gente e de sobra
Tempo para aprender
Tempo para se importar
Algum dia, algum lugar
Vamos achar uma nova maneira de viver
Vamos achar onde há um jeito de perdoar
Algum lugar
Há tempo para nós
Algum dia, um tempo para nós
Tempo para gente e de sobra
Tempo para aprender
Tempo para se importar
Algum dia, de algum jeito
Vamos achar uma nova maneira de viver
Vamos achar onde há um jeito de perdoar
Algum lugar
Há um lugar para nós
Um tempo e um lugar para nós
Segure minha mão e já teremos feito meio caminho até lá
Segure minha mão
E eu vou levar você lá
De alguma maneira
Algum dia, algum lugar

, , , ,

Sem categoria

Álbum clássico do Sepultura é relançado com 28 faixas bônus

27 jun , 2018  

Álbum clássico do Sepultura é relançado com 28 faixas bônus

Álbum clássico do Sepultura é reeditado com 28 faixas bônus

Arise, quarto álbum de estúdio dos mineiros trash metal do Sepultura ganha luxuosa edição de relançamento em CD e LP duplo. A edição remasterizada traz o repertório original do álbum e mais 28 faixas-bônus.

O clássico álbum foi editado originalmente em 1991, com a formação clássica do Sepultura, através da gravadora Roadrunner Records. Arise apresentava toda a influência latina, característica que Iggor Cavalera aperfeiçoaria nos discos posteriores da banda.

As faixas-bônus apresentam remixes de faixas como Dead embryonic cells (Max Cavalera, 1991) e Desperate cry (Andreas Kisser, 1991), a abordagem (feita em estúdio) de Orgasmatrom (Würzel, Phil Campbell, Pete Gill e Lemmy Kilmister, 1986) – cover da música que batizou álbum lançado há então cinco anos pela banda Motörhead – e takes embrionários de temas como Murder (Max Cavalera, 1991), captados em 1989 em sessão de estúdio que reuniu os músicos da banda para compor.

O disco 2 da edição em CD duplo da Arise – Expanded edition reúne 18 faixas-bônus, apresentando registros ao vivo de músicas do álbum, gravados em 1991 em show feito pelo grupo em Barcelona (Espanha), além de versões cruas das composições que formariam o repertório de Arise, quetambém está disponível nas plataformas digitais, a Expanded edition de Arise adiciona dez faixas-bônus no disco 1 ao repertório original desse álbum formatado pelos próprios músicos do Sepultura ao lado do produtor Scott Burns.

, ,

Pitadas

A B#$*%@ cor de rosa e o grelo duro do Lula

26 jun , 2018  

A B#$*%@ cor de rosa e o grelo duro do Lula

A B#$*%@ cor de rosa e o grelo duro do Lula

– Fato 1 –

Compartilho em meu feed do Facebook a charge acima, do artista Jota Camelo, brilhantemente coerente com os acontecimentos ocorridos na semana passada, na Copa da Rússia. Em seguida surge um comentário:

Faltou a camisa com a frase "mulher de grelo duro"

Em uma clara tentativa de querer incluir Lula e o PT em qualquer assunto mais polêmico, que surja na Internet, o pior é  tentar relativizar um fato deplorável protagonizado por torcedores brasileiros. A crítica é sobre o que aconteceu na Rússia e que se repete em nossa sociedade e não o que o ex-presidente disse em uma conversa telefônica, retirada de um contexto.

 

– Fato 2 –

O execrável vídeo dos torcedores,  claramente machista e misógino, assediando a repórter russa viraliza e não tardam a surgir vários homens para, como sempre, relativizar que tal gesto era “normal”, ou que estavam fazendo muito barulho por pouca(?) coisa. Uns, inclusive, tentaram argumentar que o burburinho estaria expondo “pais de família”. Aliás, relativizar atitudes erradas em nossa sociedade machista é tão comum que já vi/li mulheres, em casos de estupro, culparem a vítima.

 

O peso de uma cultura machista, advinda dos primórdios do patriarcado do cristianismo, por volta do ano 1.250 a.C., liderados por Moisés (e mais tarde por Josué), é sentido ainda hoje, em pleno Século XXI. É inaceitável que se tente calar a voz das minorias, cada vez menos silenciosas, que clamam por respeito e igualdade. Não me venha com argumentos estapafúrdios e covardes do tipo que tentem diminuir qualquer manifestação ou denúncia de machismo, racismo e homofobia, declarando que é “só uma brincadeira”. Não é!

Quanto a querer colocar na conta do ex-presidente Lula o mesmo peso dado a uma “brincadeira” machista e imbecil, chega a ser hilário, o que vi acontecer bastante no Facebook e no Twitter por aqueles que acham que vivemos em uma “ditadura do politicamente correto”, numa tentativa covarde de desviar o verdadeiro assunto em pauta, digo que a charge do Jota Camelo está irretocável. O termo dito por Lula foi em um contexto totalmente diferente. Vulgar ou não, a frase foi dita em uma ligação telefônica “vazada” entre Lula e o ex-ministro dos Direitos Humanos Paulo Vannuchi. Nela (na gravação “vazada” ) Lula defende que as mulheres do PT têm de se manifestar contra o procurador de Rondônia Douglas Kirchner. O Lula diz: “Ele batia na mulher, levava a mulher no culto religioso, deixava ela sem comer, dava chibatada nela, sabe? Cadê as mulher de grelo duro lá do nosso partido?”. Se você acha que nesse contexto há  uma equivalência mínima sequer com os relatados na charge… não tenho o que argumentar com você, mas lamento. Isso só corrobora também o momento que vivemos, dessa polarização, onde ninguém ouve ninguém.

Embora a direita tenha tentado deturpar a expressão na época, querendo torná-la vulgar (o que pode até ser, isso é uma outra discussão) e algumas mulheres, sim, se sentiram ofendidas, muitas outras, incluindo feministas, empoderadas, defenderam o uso do termo, acharam engraçado e por que não usar? Por que não pode ser interpretado como algo bom? Por que só as expressões que falam do órgão masculino como algo que dá valor às coisas (bom pra caralho, botar o pau na mesa, fulano é pica) pode ser positiva e as que se referem ao órgão feminino não? Pode ser que algumas mulheres tenham se sentido “ofendidas”, mas, muitas mulheres maravilhosas, inteligentes e bem resolvidas que eu conheço acharam a expressão divertidíssima. As atitudes escrotas, machistas e misóginas, como foram os casos que apareceram na copa da Rússia não foram engraçadas, ninguém riu. E não quero dizer que não exista machismo na esquerda, há e muito também.

Sobre o fato que vi recorrente nas redes sociais, para justificar a atitude dos idiotas da Rússia, em que tentaram argumentar que a reação é outra quando isso ocorre a repórteres homens (exemplo no vídeo abaixo) é tão leviano que dá raiva. Homens não são vítimas de violência sexual, não vivem com medo de serem estuprados, não precisam se preocupar com a roupa que usam. Isso é tão rasteiro como ser branco e dizer que sofre racismo, ou dizer que é vítima de heterofobia por ser macho.

Não tente relativizar, diminuir, abafar, desvirtuar qualquer tentativa de minorias fazerem valer a  sua voz. A culpa nunca é da vítima. E se você é um homem, branco, cisgênero, não dê sua opinião contrária quando uma questão que oprime grupos historicamente excluídos vem à tona. Ninguém te pediu. Não pense que você está sendo “inteligentão” com opinião própria, quando no fundo você está sendo apenas reacionário. Feministas, Gays e Negros não querem ser maiores ou melhores que você. As reivindicações desses não implicam na perda de suas “liberdades” ou “vantagens” que vocês possuem por séculos.

Fomos criados em uma cultura machista e isso é muito forte para mudar de uma hora para outra, infelizmente, mas que bom que certos comportamentos, antes aceitos como ” brincadeira”, “normal” não mais tolerados, não cabem. O caminho para a desconstrução está sendo percorrido, não tenha medo de percorrer essa senda. E se você se contenta em ser essa pessoa menor e está satisfeita com sua mesquinhez, parabéns, só não tente barrar a trilha para os outros.

 

, , , ,

Pitadas

Anavitória protagoniza comédia musical romântica

21 jun , 2018   Video

As meninas que formam o duo Anavitória estrelam uma comédia romântica musical nas telonas. Ana e Vitória é o título que batiza o longa, que estreia dia 2 de agosto nos cinemas, e foi dirigido por Matheus Souza.

O filme apresenta músicas inéditas da dupla Ana Clara Caetano e Vitória Falcão, que formaram a dupla em Araguaína (TO), e lançaram o primeiro EP em 2015. A trama é inspirada em acontecimentos reais da vida das meninas e a narrativa acompanha dois anos na história da dupla. “O Matheus se inspirou em algumas coisas de nossas vidas, outras coisas vieram da cabeça dele”, conta Vitória. “Mexemos na maneira de falar das nossas personagens: incluímos coisinhas que se aproximavam mais do jeito que a gente fala naturalmente e tiramos outras coisas que a gente não falaria de jeito nenhum”, complementa.

Anavitória protagoniza comédia musical romântica

Matheus Souza diz que a temática do filme é “o amor e seu lugar nos tempos atuais, que envolvem sentimentos atemporais e universais”. Mattheus é um cineasta de 30 anos que começou a ser mais falado após a comédia “Apenas o Fim”, de 2008. Ele também dirigiu “Tamo Junto” e “Eu Não Faço a Menor Ideia do Que Eu Tô Fazendo Com a Minha Vida”. O elenco conta ainda com Bruce Gomlevsky (“Deus É Brasileiro”, “Chico Xavier”), Erika Mader (“Somos Tão Jovens”, “Apenas o Fim”), Thati Lopes (“Porta dos Fundos”) e Clarissa Müller.

,

Sem categoria

Arraial animado por Fagner e Alceu Valença

20 jun , 2018  

Arraial animado por Fagner e Alceu Valença

A gravadora Biscoito Fino acaba de lançar o álbum São João Nordestino, em CD e nas plataformas digitais. Parte da renda obtida com a venda do disco será encaminhada para a creche Nossa Senhora da Boa Viagem, situada na comunidade de Entra Apulso, no Recife (PE).

O projeto foi lançado originalmente no ano passado, de forma independente e alcance regional. São João Nordestino apresenta 20 gravações inéditas de clássicos juninos e do forró, compostos por músicos nordestinos. O cantor e compositor cearense Raimundo Fagner dá voz a canção São João do Carneirinho, baião composto pelo rei Gonzagão em parceria com o conterrâneo Guio de Moraes. Já o mestre Alceu Valença, que nunca abandonou suas raízes pernambucanas, canta com seu filho, Ceceu Valença, o clássico de 1953, composto por Luiz Gonzaga e Zé Dantas, O xote das meninas.

Luiz Gonzaga, como não poderia deixar de ser é o músico mais regravado no projeto. Seu neto, Daniel Gonzaga canta Açucena cheirosa, também do rei do baião. As demais faixas apresentam cantores com visibilidade restrita ao nordeste do Brasil (ou mesmo ao estado de Pernambuco). São os casos de Alcymar Monteiro, Almir Rouche, Flávio José – que abre o disco com a gravação de Noites brasileiras (Luiz Gonzaga e Zé Dantas) – e Jorge de Altinho. Almério, cantor da atual geração, é a novidade do elenco com registro de Carcará (João do Vale e José Cândido, 1964).

O projeto São João nordestino foi feito nos mesmos moldes de Natal nordestino, disco lançado em 2016 de forma independente e, em 2017, distribuído nacionalmente pela mesma gravadora Biscoito Fino que agora amplifica o alcance do festivo álbum junino do ano passado.

, , , , , ,

Sem categoria

Novo álbum de Gal Costa sai em setembro

19 jun , 2018  

Novo álbum de Gal Costa sai em setembro

Novo álbum de Gal Costa sai em setembroNovo álbum de Gal Costa sai em setembro – Por uma questão estratégica, a gravadora Biscoito Fino adiou A Pele do Futuro, 40º álbum de Gal Costa. Programado anteriormente para agosto, a gravadora pretende lançar CD, LP e edição digital para setembro.

Com produção de Pupillo e direção artística de Marcus Preto, este é o primeiro álbum de Gal Costa desde o excelente Estratosférica (2015).  Com uma mescla de compositores novos, como Silva e Omar Salomão e antigos, como Gilberto Gil, Gal gravou ainda Adriana Calcanhotto, Djavan e Erasmo Carlos.

Novidades dentre os compositores gravados, destaque para o baiano Hyldon, autor de “Na rua, na chuva, na fazenda”, e a inusitada inclusão de uma canção da hitmaker sertaneja Marília Mendonça. Há ainda um duo gravado por Gal e Maria Bethânia, Minha Mãe, de Cesar Lacerda, que musicou um poema de Jorge Mautner.

, ,

Sem categoria

Universal Music reedita oito álbuns de Jair Rodrigues

18 jun , 2018  

Universal Music reedita oito álbuns de Jair Rodrigues

Universal Music reedita oito álbuns de Jair Rodrigues

O fato de a gravadora Universal Music relançar oito álbuns de Jair Rodrigues, apenas em formato digital, sem edições físicas (CD, LP) é lamentável. Mas, o fato da gravadora Universal Music relançar oito álbuns de Jair Rodrigues, mesmo que seja só em formato digital, é melhor do que nada e devemos comemorar sim.
Jair Rodrigues (6 de fevereiro de 1939 – 8 de maio de 2014) deixou um legado gigante na música, do tamanho de seu sorriso, com discos lançados entre 1962 e 2013. Dos álbuns relançados pela Universal, detentora do vasto acervo da gravadora Philips, onde “habitava” o cantor, sete foram lançados na fase da carreira de Jair, entre 1972 e 1985. Vale lembrar que o artista teve sua fase áurea nos anos 1960.

O álbum mais antigo dos relançados é o Com a corda toda (1972), na sequência Orgulho de um sambista (1973) e Minha hora e vez(1976) traz uma curiosa gravação de Galos, Noites e Quintais, do cearense Belchior. Depois vem o álbum Pisei no chão (1978), onde Jair Rodrigues flertou com a discoteca vigente da época. O pot-pourri Marchotecas apresenta sambas antológicos em cadência de marcha com batida das pistas de dança. Em 1979 tem a vez de Couro comendo, com Gamação danada, inusitada parceria de Neguinho da Beija-Flor com Almir Guineto (1946 – 2017). No disco seguinte, Alegria de um povo (1981), tem Dono de buteco, também de Guineto com o parceiro Luverci Ernesto. Samba de enredo nota 10! é de 1985 e pra encerrar o pacote, o oitavo na ordem cronológica ficou por conta do álbum Serestas & serenatas, lançado já em 2001. 

,