Leia também

Querida Mãe…

Querida Mãe...Mesmo que hoje em dia a data entre para o rol das comemorações ditas “capitalistas”, como o Dia das Crianças, Natal e Dia dos Namorados, com o intuito de aquecer as vendas do comércio, o Dia das Mães surgiu com uma tez mais nobre.

Quando a jovem norte americana Annie Jarvis perdeu a mãezinha e entrou em completa depressão, suas amigas tiveram a ideia de perpetuar a memória de sua mãe com uma festa a fim de amenizar o sofrimento da amiga.

Annie curtiu e quis que a homenagem fosse estendida à todas as mães, vivas ou mortas. A data então foi oficializada em 1914, pelo presidente Woodrow Wilson.

Esquecendo a parte comercial, vale ter um dia especial dedicado às nossas progenitoras. A data é uma ótima oportunidade para darmos aquele abraço mais apertado que passa batido na correria do dia a dia, é bom para um cheiro, para dizer palavras carinhosas carregadas de ternura e que qualquer mãe gosta de ouvir.

Muitos, assim como eu, vivem longe da mãe. Então, para amenizar isso, o segundo domingo de maio serve para reforçar os laços de amor entre mães e filhos, serve para confraternização com almoço, presentes, brindes em família e tudo mais que a data permite. Mesmo que os ranzinzas nos lembre que “Dia das Mães é todo dia”. E é claro que é, mas o dia institucionalizado serve para a gente dar aquela pausa e se concentrar somente nisso.

Acrescento ainda mais a máxima de que mãe não é somente aquela que dá a luz, mas a que cria, que educa, que acompanha todas as fases de desenvolvimento da criança até a vida adulta.

A data do Dia das Mães também serve para aqueles que não contam mais com sua mãezinha na Terra. O momento é oportuno para a lembrança dos momentos marcantes que os dois viveram lado a lado. Cabe uma oração, uma prece, uma mentalização. Vale até a conversa que nunca tiveram.

Datas comemorativas servem para isso, para marcar, lembrar, se dedicar a algo. O Dia das Mães, tão especial, não é diferente. Aproveite esse domingo para uma visita, um telefonema, ou dê em sua mãe aquele abraço e um beijo gostoso. Se a correria do dia a dia não nos permite lembrá-la de sua importância em nossas vidas diariamente, aproveite esse segundo domingo de maio para exaltá-la. Afinal, mãe é tudo de bom.
Um salve com todo carinho para a minha mãe Eliane. Um salve à todas as boas mães do mundo!

 

Comentários

comentários


Sobre Sal (347 Artigos)
Jornalista, blogueiro, letrista, já fui cantor em uma banda de rock, fotógrafo, fã de música, quadrinhos e cinema...

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*